CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Fátima Trinchão
Poesias, Contos, Crônicas
Textos

A LIRA E O TEMPO

A brisa da tarde, serena,traz-me notícias,
o tempo que distante pensara, presente se faz,
e breve, num átimo, já é pretérito ,
como a brisa mensageira, que ao longe vai.

O tempo que é agora,quase nunca se faz ausente,
O tempo mundano, obtuso, senhor, sereno,
profundo, profuso, insano, potente, o tempo
é passado, é futuro, o tempo é sempre presente.


Na asa do pensamento,que alegre no vento voa,
Nas cordas da lira ligeira, singelezas e sutilezas,
O cantor que afaga a lira, a lira que longe ecoa,

A lira leve viaja, não tem fronteiras, tem estradas;
Atemporal,não tem tempo;tem a lua e o firmamento,
Nas asas da lira ligeira, belezas e sutilezas.
Fátima Trinchão
Enviado por Fátima Trinchão em 23/04/2011
Alterado em 13/05/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (ww.fatimatrinchao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários