CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Fátima Trinchão
Poesias, Contos, Crônicas
Textos

 FELICIDADE

 
Fechei preconceitos, abri essas portas

só dessa vez, disse-lhe ela, ao lado do armário;

ferrolhos, tramelas, tudo aberto, desarmado;

e num instante, num átimo, o beijo que rolou livre.



Sem tramas, nem ascos, somente o agora importava,

somente agora, era a hora, nem o vento que rugia,

agreste, trazendo de longe, do leste,

na fumaça que a tudo obnubilava, o desvario e a

peste.


E quase desmaiando, minguando de tanto prazer

e emoção, baixinho sussurrou-lhe aos ouvidos:

Traíram-me os sentidos, fechei preconceitos,

abri minhas portas...

o ontem já fora, o futuro ...será?

Só agora é o que importa, e por tudo isso,

entregei-me aos riscos e aos risos


fechei preconceitos, e abri esta porta.

Fátima Trinchão
Enviado por Fátima Trinchão em 28/09/2011
Alterado em 25/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.fatimatrinchao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários