CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Fátima Trinchão
Poesias, Contos, Crônicas
Textos

ESTRANGEIRO

Estrangeiro,
as ruas estão desertas,
se às portas bateres,
nenhuma se abrirá,
ainda mais que tu és,
estrangeiros d'além mar.

Tuas vestes e cabelos,
tuas sandálias e barbas,
tuas palavras e mirar...
estrangeiro por quem indagas?

Ouvistes falar de Helena ?
Helena a bela Helena ?
Vens de longe, para vê-la de perto,
é senhora de grande beleza.

Falaram-te do seu reino ?
Que tem riqueza à vontade ?
castelos,prendas e ouros,
bom vinho e felicidade ?


Que mais falaram-te estrangeiro ?
Que entrais em nossa cidade ?
Que o povo era bom e pacato,
Que as mesas eram todas repletas,
descaminho cá era ausente,
e nos campos fartos de frutas,
onde todos trabalhavam contentes,
muitos e muitos diziam,
desse Éden, foi expulsa a serpente.

Ouvistes falar de Helena ?
Helena senhora de toda essa gente ?
Helena, Helena tão bela,
Helena já não impera.

Julga-me louco estrangeiro,
quisera sê-lo.
se a loucura de um pobre servo,
salvasse um mundo inteiro.

Não insista estrangeiro,
ninguém mais há além de mim nessa praça.

Helena era justa e boa,
e foi condenada a vagar
por um pecado a toa,
coisa pequena,
vulgar.

De amizades com senhora do futuro,
cujo passado obscuro,
carece de desvendar.

O lenço foi a questão,
a morte a solução,
para vingar a traição.

O mouro estava vingado
o seu brilho, rebrilhado,
o seu nome, com sangue,
fora lavado.

E nas ruas da história,
vagueiam ambas indiferentes:
uma atrás, outra na frente.
Os deuses tiveram pena,
(Que a morte é cruel e apavora),
a da frente é Helena,
conhecida por ser de Atenas,
a de tras
é a Desdêmona
do mouro Otelo.

Seus servos desprotegidos,
pedem todos caridade,
não aceitam reis de alhures,
pois o reino de Helena,
foi sempre reino unido.
Não sei como será.

Julga-me louco estrangeiro ?
Quisera sê-lo,
se a loucura de um pobre servo,
salvasse um reino inteiro.

Sê bem vindo a minha casa,
comei,bebei,tomai vinho,
chorastes a morte de Helena,
já não és mais estrangeiro.
Fátima Trinchão
Enviado por Fátima Trinchão em 05/09/2014
Alterado em 05/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.fatimatrinchao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários