CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Fátima Trinchão
Poesias, Contos, Crônicas
Textos

JOANA
Era  assim, ela vinha de longe,
Muito longe!
Apoiava-se num bastão
Que lhe servia de bengala,
Quase nada dizia, bem pouco falava.
Sobre  o pretérito  franzia a fronte,  
Chamava-se,Joana,Maria Joana.
De seu tinha tudo no mundo,
Do arrebol ao entardecer,
Tinha  a luz do sol;
A noite,
lhe trazia  as mais brilhantes
Estrelas do céu.
E dessa forma ela vinha,
Chamava-se Maria..
Sentia  um frio intenso
Intenso e constante,
Ainda que estivesse  
Radiante e presente,
o astro rei,
Um pesado casaco de lã cinza,
A  protegia.
Cobria-lhe a Cabeça um pano
Branco, tão  alvo quanto  o algodão
Florescendo nos campos e fazendas
Do seu tempo de menina....
Os passos lentos, os ombros arqueados,
Já era anciã,
Não  sabia a idade, mas, quando falava
Dizia ser  filha de ventre livre,
E viveu o dia de ouro da lei,
E teve festas  o dia inteiro,
O dia  todo:
Discursos, desfiles, falácias,...
Salmos,  santos e benditos.
Repetidamente os sinos dobravam,
Tudo ali se combinava,
Tudo estava  mais bonito.
Já anciã, a idade não revelava,
Mas, a quem quisesse escutar,
Ela dizia,ela afirmava,
Nunca  conheci o tronco,
Nem o chicote,
Nem o pelouro,
Nem os desdouros
D'uma  vida triste,
Nunca fui escrava,
E Nem nasci cativa,
Sou Filha de um ventre livre!
Assim era Maria,
Assim era Joana.
Apoiava-se num bastão
Que lhe servia de bengala,
Quase nada dizia, bem pouco falava.













Fátima Trinchão
Enviado por Fátima Trinchão em 03/12/2018
Alterado em 04/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.fatimatrinchao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários