CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Fátima Trinchão
Poesias, Contos, Crônicas
Textos

FUGAS
AI SEU MOÇO...

Pois é seu moço,
Deixou a casa de palha,
(Brigou com a mulher),
Não cuidou das redes,
Descuidou-se das tralhas,
Pegou o chapéu
E rumou pra riba.
Ali moço,
No meio daquele marzão azul,
Platinado pelo intenso sol de verão,
Nem briga nem intriga.
A canoa avança, frágil,
Balança e avança.
Mar adentro, mundo afora.
Calmamente desliza
Nesse mundão de água,
Nesta angústia danada,
Que só lhe resta rezar.
E a canoa a deslizar,
A deslizar brandamente
Ao sabor da brisa corrente,
E ali dentro vai gente,
gente que quer ficar só,
gente que quer só ficar,
E por lá mesmo se perder,
Se perder e até quem sabe...
se achar,,
E nunca,nunca mais
Voltar do mar..
Ai, seu moço.
Fátima Trinchão
Enviado por Fátima Trinchão em 27/07/2016
Alterado em 24/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.fatimatrinchao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários